Pages

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Semana Mundial da Alimentação 2008


Todo ano, em 16 de outubro, cerca de 150 países celebram o Dia Mundial da Alimentação. É uma oportunidade para os países refletirem sobre a segurança alimentar e nutricional, num momento em que, segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), cerca de 923 milhões de pessoas passam fome em todo o mundo.

A exemplo de outros anos, no Brasil a celebração do Dia Mundial da Alimentação (16 de outubro) foi ampliada para Semana Mundial da Alimentação. Neste ano, ocorre de 12 a 18 de outubro.

O 16 de outubro foi escolhido como Dia Mundial da Alimentação porque neste dia, em 1945, foi criada a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), cujo objetivo é elevar os níveis de nutrição e desenvolvimento rural. Há 28 anos a data é celebrada em diversos países.

O objetivo da Semana Mundial da Alimentação é estimular a reflexão e o debate sobre a questão. O tema definido pela FAO para este ano é "Segurança Alimentar Mundial: Os Desafios das Mudanças Climáticas e da Bioenergia".


Fonte:https://www.planalto.gov.br/Consea/static/eventos/semana_2008/Semana_2008.html

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Dia da CRIANÇA 12 de outubro

"Vamos incentivar as crianças a terem uma alimentação saudável"





quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Amamentar reduz risco de câncer de mama, diz estudo


Mães que amamentam seus filhos por um total de um ano reduzem em quase 5% os riscos de desenvolver câncer de mama, sugere uma pesquisa realizada na Grã-Bretanha.

O estudo foi conduzido por pesquisadores da World Cancer Research Fund, uma organização de pesquisa sobre a doença. Eles fizeram uma revisão de quatro estudos sobre amamentação e concluíram que amamentar por pelo menos um ano reduz os riscos de desenvolver esse tipo de câncer em 4,8%.

De acordo com a pesquisa, os 12 meses de amamentação não precisam ser contínuos - amamentar dois bebês durante seis meses, por exemplo, teria o mesmo efeito na saúde das mães.

"Queremos levar adiante a mensagem de que amamentar é algo positivo que as mulheres podem fazer para reduzir o risco de câncer de mama", disse Rachel Thompson, que coordenou o estudo.
"Reduzir o risco em 5% pode não parecer muito, mas quanto mais tempo uma mulher amamentar, mais irá reduzir esse risco", afirmou Thompson.
  • Benefícios


Segundo os pesquisadores, a amamentação diminui os níveis de alguns hormônios relacionados ao câncer no sangue das mães.

Além disso, depois do período de aleitamento, o corpo elimina quaisquer células que podem ter o DNA danificado nas mamas, o que também contribui para uma diminuição no risco de desenvolver a doença.

O estudo ressalta ainda que os efeitos da amamentação não ocorrem apenas no corpo das mães, mas estendem-se para a saúde dos bebês.

A revisão das pesquisas sobre o aleitamento materno indica que bebês que foram amamentados são menos propensos a consumir muitas calorias ou proteínas em excesso e se tornarem obesos.

O excesso de gordura no corpo aumenta o risco de pelo menos seis tipos de câncer – nos rins, pancreático, no esôfago, de mama no período pós-menopausa, endometrial e nos intestinos.
Pesquisas anteriores já haviam demonstrado que amamentar pode diminuir os riscos de desenvolver outros problemas de saúde nas mães, como artrite e a diabetes.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que mães alimentem seus filhos exclusivamente com leite materno até os seis meses de idade e continuem a oferecê-lo junto a outros alimentos até os dois anos de idade.

Os pesquisadores da World Cancer Research Fund recomendam a mesma prática.
"Porque as provas de que amamentar reduz os riscos de desenvolver câncer de mama são tão convincentes, recomendamos que as mulheres amamentem seus filhos durante seis meses e depois continuem com uma dieta complementar", afirmou Thompson.

Matéria exibida BBC Brasil.com setembro de 2008

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Alimentos Funcionais: uma nova alternativa!

Nos últimos anos a ciência da nutrição tem tomado outro rumo, novas fronteiras se abrem ligando nutrição e medicina com o surgimento do conceito de alimentos funcionais e que constitutem hoje prioridade de pesquisa em todo mundo com a finalidade de elucidar as propriedades e os efeitos que estes produtos podem apresentar na promoçäo da saúde. A nutrição continua tendo o seu papel que seria de fornecer nutrientes tais como proteínas, minerais, vitaminas, entre outros, mas a descoberta de que certos alimentos contém componentes ativos capazes de reduzir o risco de doenças, inclusive o câncer, faz com que essa ciência se associe à medicina e ganhe uma dimensão extra no século XXI.

Os principais mercados para alimentos funcionais hoje são o Japão, os Estados Unidos e a Europa. Estima-se que o mercado mundial de alimentos funcionais movimentou, em 2005, em torno de US$ 60 bilhões na Europa, Japão e Estados Unidos, só neste último ele representou US$ 15 bilhões.

Com o aumento da expectativa de vida dos brasileiros e ao mesmo tempo o crescente aparecimento de doenças crônicas como obesidade, hipertensão, osteoporose, diabetes e câncer, é crescente a preocupação com uma alimentação saudável.

De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), os alimentos funcionais são aqueles capazes de desempenharem papel metabólico ou fisiológico por meio da atuação de um nutriente ou não nutriente no crescimento, no desenvolvimento, na manutenção e em outras funções normais do organismo humano. Para que o consumidor identifique com propriedade os alimentos funcionais, basta atenção ao rótulo do produto. O fabricante deverá atender aos requisitos para o que se denomina ‘alegação de saúde’ (em inglês: health claim). Por exemplo: farelo de aveia de uma determinada marca tem a seguinte alegação: ‘ajuda a manter níveis saudáveis de colesterol’, para a empresa conquistar esta alegação investiu oito anos em pesquisas.

Entre os alimentos funcionais mais investigados hoje destacam-se a soja, o tomate, os peixes e óleos de peixe, linhaça, as crucíferas (brócolis, couve de bruxelas, repolho, entre outros), o alho e a cebola, as frutas cítricas, o chá verde, as uvas/vinho tinto, os cereais com a aveia, os prebióticos e os probióticos, entre tantos outros. São alimentos que além de nutrir possuem componentes ativos que atuam sobre o organismo produzindo efeitos metabólicos e/ou fisiológicos e/ou benéficos sobre a saúde.

O alimento funcional, além de suas funções nutricionais como fonte de energia e de substrato para a formação de células e tecidos, possui em sua composição uma ou mais substâncias que atuam modulando e ativando os processos metabólicos, melhorando as condições de saúde pelo aumento da efetividade do sistema imune, promovendo o bem-estar das pessoas e prevenindo o aparecimento precoce de alterações patológicas e de doenças degenerativas, que levam a uma diminuição da longevidade.

Inicialmente é preciso esclarecer que os alimentos funcionais não curam doenças, ao contrário dos remédios, e são conhecidos, também, como nutracêuticos, embora esse termo seja menos usado. Eles apresentam componentes ativos capazes de prevenir doenças ou reduzir o risco de certas doenças. Dentre as doenças mais investigadas estão as cardiovasculares, câncer, hipertensão, diabetes, doenças inflamatórias, intestinais, certas afecções reumáticas, Mal de Alzheimer, entre outras. Quando consumidos em sua forma natural, ou seja, na forma de alimento, não apresentam contra indicações e podem ser consumidos com tranquilidade, sem prescrição médica.

Matéria que realizei para Revista Vigor, confira texto completo em:

http://www.revistavigor.com.br/2008/08/19/alimentos-funcionais-uma-nova-alternativa/#comments

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Dia 31 de agosto: Dia do NUTRICIONISTA



Se você acredita que algo é possível, tentará realizá-lo. Se você sabe que algo é possível, esse algo acontecerá.

Como alcançar um estado além de apenas acreditar, um estado de saber? Agindo.

Não existem atalhos. Não existem truques mentais ou tecnológicos. Arregace as mangas e ponha as mãos na massa. Em breve, você não apenas acreditará, como também saberá. Você pode acreditar que é capaz de correr uma maratona. Mas somente quando você acordar todo dia às 5:00 da manhã e se exercitar dia após dia que você saberá que é capaz de correr a maratona.

Como diz o ditado, “ver é acreditar”. Da mesma forma, fazer é saber. É ótimo acreditar nas possibilidades.Você pode especular a respeito e imaginar toda sorte de coisas maravilhosas.

Mas a ação é o que vai tornar todas essas coisas possíveis. Arregace as mangas e comece a agir.

Assim você saberá o que é capaz de conquistar. E, sabendo disso, com absoluta certeza você fará com que as coisas aconteçam.

"Ser nutricionista é: vitaminar planos, dar energia a sonhos, alimentar idéias."
Carin Weirich


****PARABÉNS A TODOS OS NUTRICIONISTAS****

Hábitos alimentares de crianças e adolescentes: O papel da família e da escola.


Maus hábitos alimentares estão associados a diversos prejuízos à saúde, entre eles, a obesidade, cujos índices têm crescido nas últimas décadas como resultado de aumento no consumo de alimentos com alta densidade calórica e redução na atividade física. No momento atual percebe um aumento do tempo gasto com o hábito de estar na frente do computador, da televisão(TV) e vídeo game, o que contribuem para a inatividade física e sedentarismo.

Uma das principais causas que mais se destaca do hábito alimentar inadequado é assistir à TV, a exposição de apenas 30 segundos a comerciais de alimentos é capaz de influenciar a escolha da criança a determinado produto e estimular o consumo de fast foods. Diante da TV, uma criança pode aprender conceitos incorretos sobre o que é um alimento saudável, uma vez que a maioria dos alimentos veiculados possui elevados teores de gorduras, óleos, açúcares, sal, e muitas calorias.

A obesidade e os elementos que com ela interagem são tão complexos que fica difícil tratar de forma digna uma criança ou adolescente obeso sem uma equipe multidisciplinar. Na maioria das vezes a obesidade acarreta dificuldades comportamentais, interferindo, assim, no relacionamento social, familiar e acadêmico da criança. As crianças obesas são freqüentemente importunadas pelos colegas e menos aceitas do que as crianças com peso normal.

Na adolescência, a procura de alimentos calóricos encontra-se bastante elevada, levando ao aumento do apetite e do ganho de peso contribuindo assim para o desenvolvimento da obesidade. Essa fase, caracteriza-se por rebeldia, favorecendo a seleção de alimentos que nem sempre são os mais adequados e balanceados, a alimentação pode caracterizar-se pela repetição cotidiana de lanches rápidos (de baixo valor nutricional e alto valor calórico), frituras, doces, em prejuízo das refeições habituais da família.

Escolher uma alimentação saudável não depende apenas do acesso a uma informação nutricional adequada. A seleção de alimentos tem a ver com as preferências desenvolvidas relacionadas com o prazer associado ao sabor dos alimentos, as atitudes aprendidas desde muito cedo na família, e a outros fatores psicológicos e sociais.

A alimentação é uma necessidade básica ao desenvolvimento do ser humano, sendo nas fases da infância e da adolescência que acontece uma maior transformação que favorece o seu desenvolvimento nos aspectos físico, intelectual, emocional e social.


Matéria que realizei para o site Psicologia Virtual, confira texto completo em:

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Hábitos alimentares são formados no 1° ano de vida


É de grande importância que as crianças aprendam a comer de uma forma correta desde cedo uma vez que os hábitos alimentares são formados no 1° ano de vida, dentro da família, e conservados na vida adulta. O ambiente familiar é, o início e talvez, o mais importante influenciador dos hábitos infantis.

Sendo assim, alimentação saudável nesta fase da vida tem papel fundamental e essencial para permitir um normal desenvolvimento e crescimento, uma vez que práticas alimentares inadequadas trarão conseqüências futuras sobre a saúde da criança, com o aparecimento de doenças, retardo no crescimento e atraso escolar.


Os cuidados com a criança no primeiro ano de vida são fundamentais, por ser esta uma fase em que ela se encontra extremamente vulnerável, tendo em vista o fenômeno do crescimento e a sua total dependência. Dentre as necessidades básicas para assegurar a sobrevivência, o crescimento e o desenvolvimento adequado, a nutrição assume papel importante.


O processo nutritivo é, em conseqüência, involuntário e depende da seleção alimentar. Este processo é importante ao longo de toda a vida, particularmente em determinados períodos, como sejam a infância e a adolescência, a gravidez ou a terceira idade. A criança, por se encontrar em fase de crescimento, é extremamente dependente de uma alimentação saudável e, por isso, mais sensível às carências, desequilíbrios ou inadequação alimentar.


É no 1º ano de vida que a criança deve passa pelo peito da mãe, e nesse ato não é só o leite que se oferece ao bebê, são todos os nutrientes necessários, são todas as defesas que a criança necessita, é o momento especial. E para a mãe, amamentar ajuda voltar a seu peso anterior, favorece a contração uterina e previne hemorragias no pós-parto, diminui o risco de câncer de mama e de ovário e reforça o vínculo mãe-filho(a).


A Organização Mundial da Saúde e do Ministério da Saúde recomendam que o bebê deve ser alimentado exclusivamente com leite materno até 6 meses de vida. Somente a partir de 6 meses é que se deve começar a introdução de novos alimentos, mas sem abandonar a amamentação, que pode prosseguir até 2 anos de idade ou mais, se assim a mãe e a criança desejarem.


Matéria que realizei para o site Médico, texto completo em:


segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Pirâmide Alimentar: conhecendo um pouco mais!


A Pirâmide Alimentar é o mais moderno Guia de Alimentação, aprovado, pela Organização Mundial da Saúde. Substituiu a roda de alimentos usada para explicar os grupos de alimentos, que agora foram subdivididos, para melhor garantir o consumo de todos os nutrientes nas quantidades adequadas.

Através da pirâmide podemos visualizar todos os grupos de alimentos e saber quais podemos ingerir mais e quais devemos evitar.

cada grupo da pirâmide agrega alimentos semelhantes e do hábito alimentar brasileiro. Foram definidos 8 grupos para manter a estrutura idealizada pela pirâmide americana. Cada grupo tem a sua importância funcional no organismo, a base fornece energia, o segundo nível vitaminas, minerais e fibras, o terceiro proteínas, ferro, cálcio, e o topo, gorduras e açúcares. Cada um desses nutrientes tem uma importância diferente no organismo, por isso a colocação deles dentro de uma pirâmide. Dessa forma, consegue-se mostrar que os alimentos da base devem ser consumidos em maiores quantidades e os do topo em menores.


Os três conceitos principais de uma alimentação equilibrada são:


• Variedade: é identificada pelo consumo de uma grande variedade de alimentos dentro e entre os maiores grupos. Em outras palavras, nenhum grupo é mais ou menos importante do que qualquer outro grupo;


Moderação: é definida por dois componentes:

a) consumir alimentos no tamanho recomendado das porções, especialmente aqueles ricos em gorduras e/ou açúcares adicionados.

b) consumir gorduras, óleos e doces esporadicamente;


• Proporcionalidade: é definida como consumir relativamente mais de grupos alimentares maiores, e menos de grupos menores.

Matéria que realizei, veja o texto completo em:


quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Suco de frutas 'diminui absorção de remédios'



Tomar remédio acompanhado de um suco de frutas como grapefruit (a toranja), maçã ou laranja prejudica a absorção dos medicamentos, segundo uma pesquisa apresentada na terça-feira no encontro nacional da American Chemical Society (Sociedade Americana de Química, em tradução livre), na Filadélfia.
Segundo o chefe da pesquisa, o professor de químico-farmacologia David Bailey, da Universidade de Western Ontario, no Canadá, o efeito dos sucos de frutas pode, inclusive, anular totalmente o efeito dos remédios.


“Nós descobrimos recentemente que o suco de grapefruit e de outras frutas pode diminuir substancialmente a absorção oral de certos medicamentos que são passados à corrente sangüínea através do intestino”, disse Bailey. “A preocupação é a perda dos benefícios dos remédios essenciais para o tratamento de sérios problemas médicos.”


Entre os remédios afetados estão alguns receitados para doenças cardíacas, câncer, rejeição a órgãos transplantados e infecção. Este foi o primeiro estudo controlado do efeito do suco sobre drogas em humanos.


Efeito contrário


Vinte anos atrás Bailey descobriu que o suco de grapefruit aumentava drasticamente a absorção do medicamento felodipina, usado para tratar pressão alta, provocando overdoses perigosas.
Depois disso, outros pesquisadores concluíram que o suco da fruta tinha o mesmo efeito sobre quase 50 medicamentos. Como resultado, muitos remédios hoje carregam advertências sobre sua ingestão com o suco da fruta.
Nesta última pesquisa, a equipe de Bailey deu fexofenadina, um anti-histamínico usado para combater alergias, a voluntários saudáveis. Alguns voluntários tomaram o remédio acompanhado de um copo de suco de grapefruit, outros com água pura e um terceiro grupo com água acompanhada de naringenina, o ingrediente ativo da grapefruit.


Entre o grupo que tomou o medicamento acompanhado do suco, apenas metade do remédio foi absorvida, em comparação com os voluntários que beberam água pura. Segundo o cientista, essa diferença pode ser crucial no tratamento.
O cientista explica que a naringenina parece bloquear um “transportador” da droga, chamado OATP1A2, que tem o papel de levar o remédio do intestino para a corrente sanguínea. Este bloqueio diminuiria a absorção da droga e neutralizaria seus efeitos benéficos, afirma Bailey.


Segundo a pesquisa, os sucos de grapefruit, maçã e laranja deram mostras de diminuir a absorção da etoposida, um agente usado nos tratamentos contra câncer; alguns bloqueadores beta usados no tratamento de pressão alta e prevenção de ataques cardíacos (atenolol, celiprolol, talinolol); ciclosporina, usada para tratar a rejeição a orgãos transplantados e alguns antibióticos.
“Isso é apenas a ponta do iceberg”, disse o cientista, “tenho certeza de que vamos encontrar outros remédios afetados desta forma”.


Segundo o cientista, os sucos de maçã e laranja parecem conter substâncias parecidas com a naringenina, que inibem o transportador. Bailey aconselha os pacientes a sempre ingerir os remédios com um copo de água, em vez de suco.


Fonte:

sexta-feira, 18 de julho de 2008

A importância das vitaminas na alimentação


As vitaminas são substâncias orgânicas presentes em muitos alimentos em pequenas quantidades e indispensáveis ao funcionamento do organismo. Cumprem papel importante ao metabolismo celular e ao crescimento, elas regulam e favorecem as reações químicas que ocorrem nas células, permitindo a assimilação dos alimentos.

Os requerimentos nutricionais desses micronutrientes aumentam durante os períodos de crescimento, gestação e lactação, nas condições de trabalho intenso e ocorrência de determinadas doenças, notadamente as infecciosas.

Na infância, as carências em geral encontradas são aquelas relacionadas a tiamina, riboflavina, niacina, piridoxina, ácido fólico, cianocobalamina, e ultimamente de biotina.

O papel das vitaminas no organismo é extremamente importante, pois são elementos nutritivos essenciais para a vida e que possuem na sua estrutura compostos nitrogenados (AMINAS), os quais o organismo não é capaz de sintetizar e que, se faltarem na nutrição, provocarão manifestações de carência ao organismo.

A carência de vitaminas na dieta produz doenças graves, as avitaminoses, como o raquitismo, a nictalopia (cegueira noturna), a pelagra, diversas alterações no processo de coagulação do sangue e a esterilidade, também a ingestão excessiva de vitaminas pode causar perturbações orgânicas, as hipervitaminoses.

As vitaminas são classificadas em dois grupos: as lipossolúveis e hidrossolúveis, de acordo com propriedades fisiológicas e físico-químicas comuns.



Matéria realizada para o site ABC dos Alimentos, saiba mais:

quinta-feira, 3 de julho de 2008

Ministério da Saúde: Alimentação Saudável para todos

Siga os Dez Passos:

1-Faça pelo menos 3 refeições (café da manhã, almoço e jantar) e 2 lanches saudáveis por dia. Não pule as refeições.

2- Inclua diariamente 6 porções do grupo do cereais(arroz, milho, trigo pães e mas­sas), tubérculos como as batatas e raízes como a mandioca/macaxeira/aipim nas refeições. Dê preferência aos grãos integrais e aos alimen­tos naturais.

3- Coma diariamente pelo menos 3 porções de legumes e verduras como parte das refeições e 3 porções ou mais de frutas nas sobremesas e lanches.

4- Coma feijão com arroz todos os dias ou , pelo menos, 5 vezes por semana. Esse pra­to brasileiro é uma combinação completa de proteínas e bom para a saúde.

5- Consuma diariamente 3 porções de leite e derivados e 1 porção de carnes, aves, peixes ou ovos. Retirar a gordura aparente das carnes e a pele das aves antes da preparação que torna esses alimentos mais saudáveis!

6- Consuma, no máximo, 1 porção por dia de óleos vegetais, azeite, manteiga ou marga­rina. Fique atento aos rótulos dos alimen­tos e escolha aqueles com menores quantidades de gorduras trans.

7- Evite refrigerantes e sucos industrializa­dos, bolos, biscoitos doces e recheados, sobremesas doces e outras guloseimas como regra da alimentação.

8- Diminua a quantidade de sal na comida e retire o saleiro da mesa. Evite consumir alimentos industrializados com muito sal (sódio) como hambúrguer, charque, sal­sicha, lingüiça, presunto, salgadinhos, conservas de vegetais, sopas, molhos e temperos prontos.

9- Beba pelo menos 2 litros (6 a 8 copos) de água por dia. Dê preferência ao consumo de água nos intervalos das refeições.

10- Torne sua vida mais saudável. Pratique pelo menos 30 minutos de atividade físi­ca todos os dias e evite as bebidas alcoóli­cas e o fumo. Mantenha o peso dentro de limites saudáveis.

Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição
Ministério da Saúde

www.saude.gov.br/nutricao

Malhar em jejum ou passar mais de quatro horas sem comer engorda


Se você é do time que pensa no jejum como alternativa poderosa contra os quilos extras saiba que está embarcando numa roubada. Deixar de comer compromete uma série de funções vitais e não ajuda em nada na dieta , afirma a nutricionista do Minha Vida, Karina Gallerani. Isso porque o jejum prejudica o metabolismo (conjunto de transformações que as substâncias químicas do alimento sofrem em nosso organismo). E são essas reações que permitem a célula transformar os alimentos ingeridos em energia.

A quantidade de calorias ou energia gasta durante o repouso (usada pelo corpo para fazer para funcionar órgãos como coração, cérebro, pulmões e intestino) é chamado de metabolismo basal. O metabolismo basal pode variar de acordo com a composição corporal de cada pessoa, assim como a idade, sexo e prática de atividades físicas. Mas o jejum prolongado tende a diminuir esse metabolismo, interferindo no gasto de energia , diz Karina.

Para entender melhor as conseqüências de ficar muito tempo sem comer, confira a lista de mitos que a especialista desvenda abaixo. Ela revela o intervalo ideal entre uma refeição e outra, explica a relação entre estômago vazio e mau hálito e alerta para os perigos de ficar, diariamente, sem tomar café-da-manhã.

1. Fazendo exercícios em jejum, emagreço mais rápido. Falso. Durante a execução dos exercícios físicos, se você estiver em jejum, seu nível de glicose no sangue pode estar muito baixo (hipoglicemia). Então, seu organismo vai passar a consumir proteínas. Você perde massa magra (músculos), diminui seu metabolismo e acaba ficando mais fraco. A performance cai e o desgaste físico e emocional aumenta. Em condições normais, com alimentação equilibrada, o organismo consegue manter este equilíbrio interno. No entanto, a o jejum prolongado pode comprometer esse balanço energético.
2. Ficar muito tempo sem comer deixa o metabolismo mais lento. Verdade. Depois de muito tempo sem comer, o metabolismo passa a funcionar mais lentamente, como tentativa de economizar energia. Como conseqüência, na próxima refeição, a tendência é acumular mais gordura. O ideal é não ficar sem comer por mais de 4 horas, distribuindo as refeições durante o dia.
3. O jejum acelera os resultados da dieta. Falso. As pessoas normalmente relacionam a dieta como algo muito restritivo, acreditando erroneamente que a reeducação alimentar proibirá o consumo de certos alimentos. Embora uma boa alimentação possa ter certas limitações, não há proibições absolutas.
4. Ficar em jejum causa dor de cabeça. Verdade. O cérebro não tem qualquer reserva energética e por isso, independente do estado nutricional é necessário que haja um suprimento de glicose, provenientes principalmente de alimentos fontes de carboidratos para este tecido. Situações de hipoglicemia, por exemplo, onde ocorre uma redução dos níveis de glicose sanguínea, podem acarretar perturbações no funcionamento do sistema nervoso central, que vão desde cefaléia, incoordenação de fala e motora, até alterações no eletroencefalograma e coma.
5. Ficar três horas sem comer não prejudica o organismo. Verdade. Períodos curtos de jejum (de uma a três horas sem comer) não acarretam problemas. Esse é o tempo médio que o organismo leva para realizar a digestão e conseqüente absorção dos alimentos. Mas pessoas com tendência a hipoglicemia devem se alimentar a cada duas horas. Do contrário, podem surgir sintomas como visão turva, cefaléias, enjôos, vômitos, tremores.
6. Pular o café da manhã diminui a capacidade raciocínio. Verdade. Jejuns superiores a quatro horas podem resultar em lentidão dos movimentos, raciocínio confuso, perda de memória, dores musculares e de cabeça, tontura e até mesmo desmaios em alguns casos mais graves. Quem persiste em tornar o almoço a primeira refeição do dia, está expondo o organismo a mais de doze horas em jejum. Esse estado metabólico também pode favorecer consideravelmente o aparecimento de infecções já que o organismo está fraco devido a falta de nutrientes.
7. Ficar em jejum durante o dia causa mau hálito. Verdade. A presença do mau hálito, decorrente da acidose metabólica (excesso de acidez no sangue caracterizada por uma concentração anormalmente baixa de carboidratos) é decorrente a jejuns superiores a seis horas. Esta característica é bem comum em pacientes com diabetes. Os mecanismos de compensação realizados pelo organismo em situações de acidose é uma respiração mais profunda e rápida: o organismo tenta livrar o sangue do excesso de ácido reduzindo a quantidade de dióxido de carbono. Os rins tentam excretam mais ácido na urina. Quando estes dois mecanismos não conseguem estabelecer a homeostase e o corpo continua a produzir ácido em demasia, instala-se um quadro de acidose grave e, em última instância, o coma.

Matéria do site Minha vida:
http://www.minhavida.com.br/

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Terceira Idade


O envelhecimento, apesar de ser um processo natural, submete o organismo a diversas alterações anatômicas e funcionais, com repercussões nas condições de saúde e nutrição do idoso. Muitas dessas mudanças são progressivas, ocasionando efetivas reduções na capacidade funcional, desde a sensibilidade para os gostos primários até os processos metabólicos do organismo. É preciso aceitar essa fase como uma importante etapa da vida.

Vários fatores interferem no processo de envelhecimento como: o meio ambiente, o estilo de vida, o hábito de fumar, a alimentação, a prática de atividade física, a depressão, o stress, etc., e no surgimento de doenças crônicas não transmissíveis (crônico-degenerativas), como aterosclerose, hipertensão, diabetes, obesidade, osteoporose e outras, tão comuns nessa faixa etária e que muitas vezes não é possível ter a cura delas mas podem ser controladas.

O idoso também está mais sujeito às deficiências nutricionais devido à intensidade de determinadas doenças e/ou à debilidade em se alimentar, ocasionando risco de deficiência de certos nutrientes, como: vitamina B12, ácido fólico, ferro, vitamina A e vitamina C. Por outro lado, a manutenção da mesma quantidade de alimentos, usualmente ingerida na vida adulta, pode levar ao sobrepeso ou obesidade. Existe também alteração do metabolismo de cálcio e vitamina D, acelerando a perda óssea e contribuindo para o desenvolvimento da osteoporose.

Matéria que realizei também para o Jornal Conversa Pessoal (Secretaria de RH do Senado Federal) confira em:

http://www.senado.gov.br/sf/senado/portaldoservidor/jornal/Jornal90/nutricao_terceira_idade.aspx

sábado, 10 de maio de 2008

TERCEIRA IDADE: “ Viver com saúde”


A distribuição etária da população mundial tem apresentado visível alteração nas últimas décadas, em razão da expansão da expectativa de vida e do conseqüente aumento de idosos, o que representa novos desafios no campo da pesquisa nutricional.

O envelhecimento, apesar de ser um processo natural, submete o organismo a diversas alterações anatômicas e funcionais, com repercussões nas condições de saúde e nutrição do idoso. Muitas dessas mudanças são progressivas, ocasionando efetivas reduções na capacidade funcional, desde a sensibilidade para os gostos primários até os processos metabólicos do organismo.É preciso aceitar essa fase como uma importante etapa da vida.

Vários fatores interferem no processo de envelhecimento como: o meio ambiente, o estilo de vida, o hábito de fumar, a alimentação, a prática de atividade física, a depressão, o stress, etc., e no surgimento de doenças crônicas não transmissíveis (crônico-degenerativas), como aterosclerose, hipertensão, diabetes, obesidade, osteoporose e outras, tão comuns nessa faixa etária e que muitas vezes não é possível ter a cura delas, mas podem ser controladas.

São comuns também as alterações do paladar e do olfato, com redução na percepção dos sabores salgado, doce e ácido. Embora não interfiram diretamente na ingestão alimentar, ocorrem com freqüência a redução da salivação e menor capacidade de mastigação, seja por falta de dentes ou pelo uso de dentaduras mal adaptadas e de diversos distúrbios da deglutição. O idoso é em geral menos ativo fisicamente, e por isto tende a consumir menos calorias que os indivíduos mais jovens. Este fator já representa um risco aumentado de deficiência para várias vitaminas e minerais.


Matéria que realizei para o Jornal Gazeta da Chapada no estado da Bahia , saiba mais:
http://www.gazetadachapada.com.br/esporte_viverMais.php

terça-feira, 6 de maio de 2008

Gordura Trans: fique longe!



Durante muitos anos, a gordura saturada foi apontada como a grande vilã, mas, atualmente outro tipo de gordura parece estar em toda parte, presente nos salgadinhos, na batata frita, nos bolos, biscoitos, sorvetes, produtos industrializados, é a gordura trans, que anda despertando a atenção também das pessoas preocupadas com a boa alimentação e saúde.

É uma gordura formada por um processo de hidrogenação natural (quando ocorre no estômago de animais) que encontramos em níveis baixos no leite e na carne, ou industrial que transforma óleos vegetais líquidos em gordura sólida à temperatura ambiente e são utilizadas para melhorar a consistência dos alimentos, deixar mais saborosos, e prolongar a validade desses produtos.


Matéria que realizei para o site ABC dos alimentos sobre gorduras trans, saiba mais:

http://www.abcdosalimentos.com/receitas/index.php?option=com_content&task=view&id=2139&Itemid=178&mosmsg=Voc%EA+j%E1+votou+nesta+enquete%21

segunda-feira, 28 de abril de 2008

Como evitar que nossas crianças se tornem adultos obesos


A obesidade infantil é um sério problema de saúde pública, que vem aumentando em todas as camadas sociais da população brasileira consideravelmente nestas últimas décadas. O excesso de peso pode provocar o surgimento de vários problemas de saúde como diabetes, hipertensão, problemas cardíacos, a má formação óssea, assim como outros, e uma criança obesa tem mais chances de se tornar um adulto obeso.

A vida sedentária facilitada pelos avanços tecnológicos (computadores, televisão, videogames, etc.), faz com que as crianças não precisem se esforçar fisicamente a nada, levando-as a passarem horas paradas em frente a uma TV ou outro equipamento eletrônico e quase sempre com um pacote de biscoito ou um sanduíche regados a refrigerantes. Isto é um fator preocupante para o desenvolvimento da obesidade.
Matéria que realizei para o site médico sobre obesidade infantil (abril 2008)
saiba mais:

quinta-feira, 10 de abril de 2008

Dietas milagrosas: um risco à saúde, cuidado!


As famosas dietas, muitas pessoas passam grande parte da vida fazendo dietas, cada momento surge uma novidade prometendo emagrecimento rápido e sem muito esforço, dieta de pouco carboidrato, de muita proteína, da lua, do chá, da sopa, dos pontos, entre tantas outras. São dietas que geralmente restringem o tipo de alimento a ser consumido (tipo e qualidade) e a quantidade diária de ingestão. Em sua grande maioria causam efeitos negativos à saúde, uma vez que a maioria não é balanceada e pode causar deficiência nutricional, apesar de levarem à perda rápida de peso não atendem aos requisitos exigidos de uma alimentação saudável para manutenção da saúde, e esses regimes não surtem efeito em longo prazo, ou seja, a pessoa volta facilmente a engordar.

A busca pelo corpo perfeito em um curto espaço de tempo é o que leva boa parte das pessoas a adotar dietas radicais, o fato é que essas medidas radicais para emagrecer rapidamente podem até levar a uma perda de peso nos primeiros dias mas na maioria dos casos esse emagrecimento é temporário, pois foi resultado de uma alteração brusca na composição alimentar que causa perda de água do corpo e não gordura, a perda de peso acelerada e instantânea impede a perda de gordura corporal, e logo a alimentação normal seja retomada, esse líquido perdido retorna, trazendo o peso de volta.
Matéria que realizei para o site ABC dos Alimentos e Saúde viver, confiram:

terça-feira, 1 de abril de 2008

Colesterol: o grande vilão?


Alguns cuidados importantes devem ser tomados na dieta diária.
Todos os alimentos de origem animal contêm colesterol e nenhum óleo de origem vegetal possui colesterol.
Algumas dicas:

1. Fazer de 5 a 6 refeições/ dia, respeitando os horários;
2. Reduza o consumo de carne vermelha, substituindo-a por frango ou peixe;
3. Troque os queijos amarelos pelos brancos;
4. Prefira as margarinas com fitosterol, que comprovadamente reduzem a absorção do colesterol; (Fitosterol uma substância que melhora o desempenho do sistema cardiovascular)
5. Evitar frituras e comidas gordurosas;
6. Aumente o consumo de fibras solúveis, encontradas na aveia, nos feijões e em frutas como a maçã, elas ajudam a retirar o colesterol de circulação eliminando-o pelas fezes;
7. Aposte nos alimentos ricos em antioxidantes, como as frutas cítricas e as folhas verde-escuras, eles impedem a oxidação do LDL que está por trás da formação das placas de gordura;
8. Exercite-se todo dia por, no mínimo, meia hora;

Aproveite as dicas e dê mais saúde a sua vida.



Matéria que realizei para o site Ramfit Assessoria Esportiva, sobre Colesterol, confiram:

http://www.ramfit.com.br/blog/author/michele/

http://www.ramfit.com.br/blog/



terça-feira, 4 de março de 2008

Pratique Saúde


As doenças cardiovasculares são hoje um grave problema de saúde pública. Elas representam a primeira causa de morte no País. Com base nesses dados, o Ministério da Saúde está lançando o movimento PRATIQUE SAÚDE, desenvolvido em módulos com temas prioritários para a saúde da população e informações sobre riscos e complicações de doenças crônicas, como evitá-las ou retardá-las. O desafio é incorporar na rotina dos serviços de saúde, nas comunidades e sobretudo na vida de cada cidadão, a prática de hábitos saudáveis de vida.
O Ministério da Saúde tem certeza de que isso só ocorrerá com a utilização de linguagem acessível, que informe e sensibilize as pessoas a fazer o melhor por sua saúde.


Saiba mais em:

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Obesidade infantil

Como evitar que nossas crianças se tornem adultos “obesos e doentes”?

A obesidade infantil é um sério problema de saúde pública, que vem aumentando em todas as camadas sociais da população brasileira consideravelmente nestas últimas décadas. O excesso de peso pode provocar o surgimento de vários problemas de saúde como diabetes, hipertensão, problemas cardíacos, a má formação óssea, assim como outros, e uma criança obesa tem mais chances de se tornar um adulto obeso.
A vida sedentária facilitada pelos avanços tecnológicos (computadores, televisão, videogames, etc.), fazem com que as crianças não precisem se esforçar fisicamente a nada, levando-as a passarem horas paradas em frente a uma TV ou outro equipamento eletrônico e quase sempre com um pacote de biscoito ou um sanduíche regados a refrigerantes. Isto é um fator preocupante para o desenvolvimento da obesidade. Mas também existem outros fatores que levam a obesidade como: fatores genéticos, fatores hormonais, depressão, ansiedade, falta de atividade física, desmame precoce e introdução de alimentos inadequados, emprego de fórmulas lácteas inadequadamente preparadas, distúrbios do comportamento alimentar e relação familiar conturbada.

Os pais devem dar o exemplo aos seus filhos , pois, eles determinam inconscientemente o fracasso dos filhos, se apenas existem guloseimas, salgados, sanduíches e outros, ao invés de alimentos saudáveis como frutas, vegetais e etc quando suas crianças procuram por lanches, como eles terão sucesso?. O consumo diário pode provocar a obesidade por que o organismo não tem capacidade de metabolizar, ou seja, “queimar” o excesso, de açúcar e gordura que acaba se acumulando. E essas doses extras de doce no sangue também diminui a força do organismo de se proteger de outras doenças.

É durante a infância que aprendemos a ler, a escrever, temos que estudar, gostamos de correr, pular, etc. O corpo e a mente têm que se desenvolver para conseguir realizar essas mudanças e isso se dá através da alimentação. Uma boa alimentação na infância ajuda ter e a manter um peso saudável. É nessa época que são formados os hábitos alimentares, ou seja, quando “aprendemos” a gostar ou não de certos alimentos, quando criamos o costume de comê-los, etc. Portanto, ensinar as crianças a provar diferentes tipos de alimentos e adquirir bons hábitos para garantir saúde que será útil para a vida toda.
Matéria que realizei para o jornal Gazeta da Chapada no estado da Bahia em Dicas de Saúde (fevereiro 2008)

ATENÇÃO CONSUMIDOR: o que é um produto diet e light?


Estes produtos estão por toda parte, espalhados nas pratileiras de supermercado, nas despensas, em lachonetes e etc, os produtos vão desde leite, iogurtes, pães, geléias, refrigerantes, requeijão, chocolates, barras de cereais até comidas pré-cozidas. Os produtos diet e light se multiplicam rapidamente e estão cada vez mais presentes na vida dos consumidores brasileiros. Contudo, apesar do aumento significativo no consumo, será que as pessoas sabem diferenciar os produtos diet dos light?.
Na busca por um peso saudável, as pessoas usam e abusam destes produtos, algumas vezes com exagero e sem a orientação de um nutricionista. Muitas pessoas relacionam produtos diet com açúcar e light com gordura. Algumas pesquisas já realizadas, revelaram que maior parte da população desconhece as características desses produtos, o seu real conceito.


Matéria realizada para o jornal gazeta da Chapada em Dicas de Saúde (Dezembro 2007)


Alimentos na Praia



Matéria e Entrevista exibida dia 03 fevereiro de 2008 no programa Viver bem, sobre alimentos na praia.



Cuidado com o Colesterol



O colesterol é um tipo de gordura produzida (sintetizada) no fígado, é uma substância muito importante para a nossa vida. Sabe-se que 70 a 80% do colesterol circulante no sangue é produzido pelo fígado, o restante provém da alimentação. O colesterol e outras gorduras não podem dissolver-se no sangue. Para deslocar-se pelo sangue, o colesterol é incorporado em determinadas proteínas. A esta combinação de gordura e proteína dá-se o nome de lipoproteína. As principais lipoproteínas são as de baixa densidade (o colesterol "ruim", ou LDL) e as de alta densidade (o colesterol bom, ou HDL).

Matéria publicada no jornal gazeta da chapada no estado da Bahia em dicas de saúde (novembro 2007)

Postagens populares

Receitas

Sobremesa MOUSSE DE MELÃO

Por porção: 75 calorias

Tempo de preparo:30 minutos

Gorduras: 0,1g

Proteínas:3,7 g

Carboidratos:15,7g

Cálcio: 53,2 mg


Ingredientes:

1 envelope de gelatina em pó sem sabor (12g)

4 colheres(sopa) de água

2 xícaras (chá) de melão em pedaços (300g)

1 pote de iogurte desnatado (200g)

1 colher (sopa) de hortelã fresca (10g)

4 colheres (sopa) de mel(100g)

2 claras (66g)

Modo de Preparo:

Dissolva a gelatina na água fria e aqueça em banho maria até dissolver bem. Bata no liquidificador com melão, iogurte, hortelã e o mel. Bata as claras em neve e adicione a mistura do liquidificador. Coloque em uma forma de pudim molhada e leve a geladeira para firmar. Desenforme e sirva. Pode decorar com uma folhinhas de hortelã.

Se quiser pode optar por outras frutas.




SUCO DE ABACAXI COM HORTELÃ

Por porção: 49 calorias


Ingredientes:

1/2 xícara (chá) de abacaxi picado

200ml de água

5 folhas de hortelã

adoçante e gelo, a gosto


Modo de Preparo

Descasque e pique o abacaxi, separe a quantidade da receita;

coloque todos os ingredientes no liquidificador e bata até obter um líquido homogêneo;

Está pronto o suco, é só servir e saborear.


OBS: Os sucos sempre estão presentes em qualquer prescrição nutricional, pois alimentam e hidratam.



SUCO DE MARACUJÁ E COUVE

Rendimento: 1 porção

Tempo de preparo: 20 minutos

Calorias – 120 a porção

Proteínas – 3,4g

Gorduras – 1g

Carboidratos – 28g

Cálcio – 80mg


Ingredientes

Polpa de 1 maracujá pequeno (50g)

1 xícara (chá) de água (200ml)

½ xícara (chá) de folhas de couve (50g)

gelo a gosto

adoçante a gosto


Modo de Preparo

Bata a polpa de maracujá com a água e a couve no liquidificador, usando a tecla pulsar para não triturar as sementes. Passe pela peneira, adicione gelo e adoçante a gosto e sirva.


Dicas:

A couve é rica em vit. A (indispensável para vista e para pele), vit. C, K e algumas do complexo B. Também é rica em cálcio, fósforo e ferro, minerais importante para a formação e manutenção dos ossos e dentes. Além disso, contém bastante celulose, uma substância ótima para o funcionamento do intestino.

O maracujá é uma fruta de alto valor nutritivo, rico em vit. C e vitaminas do complexo B(B2 e B5), contém também quantidades razoáveis de sais minerais como ferro, cálcio e fósforo.



BOLO DE CENOURA COM CALDA DE CHOCOLATE

Número de porções = 23

Bater no liquidificador:

3 cenouras grandes

4 ovos

1 xícara(chá) de óleo


Colocar em uma tigela:

2 xícaras (chá)de farinha de trigo

2 xícaras(chá) de açúcar

1 colher de pó Royal



Cobertura:

2 colheres de chocolate em pó ou achocolatado

2 colheres de leite

2 colheres de margarina

6 colheres de açúcar


Modo de Preparo

Colocar as cenouras picadas, ovo e o óleo no liquidificador. Bater. Depois despejar a massa em uma tijela, acrescentar farinha de trigo, açúcar e fermento. Mexer com uma colher de pau até formar bolhas. Coloque em assadeira untada e enfarinhada. Leve ao forno pré-aquecido, à 180ºC (médio), até assar. Para a cobertura, misture todos os ingredientes e leve ao fogo até engrossar. Jogue sobre o bolo ainda quente.